Assim como as novas tecnologias e a transformação digital impulsionaram a 4ª Revolução Industrial, a conectividade em conjunto com essas inovações elevaram o Marketing 3.0 a uma nova categoria ou versão mais atual e avançada: o Marketing 4.0. Num contexto histórico, o marketing 1.0 tinha a ligação direta com a Era dos Produtos, influenciada pela Revolução Industrial e sua produção em série.

Já o Marketing 2.0 representou a Era do Consumidor pela influência direta do aumento da concorrência e a disputa acirrada pela mente e os desejos do público. A próxima etapa é a do Marketing 3.0, que foi além dos desejos do consumidor e se refere à Era dos Valores, que tem influência nas experiências dos seres humanos, considerando até seu coração, sua mente e seu espírito. O Marketing 4.0 vai além de valorizar o indivíduo integralmente e passa a considerar também o contexto atual em que ele vive, com o impacto de toda a transformação digital, a força da conectividade e das novas tecnologias no seu comportamento e convívio social.

A inclusão social começa a se destacar frente à antiga valorização da exclusividade. As barreiras geográficas e demográficas são quase extintas. A estruturação do poder passou a ser menos verticalizada e, por meio da competitividade de pequenos negócios, dá lugar a uma relação mais horizontal e democrática entre a marca e seus consumidores. Além disso, as opiniões e consequentemente as decisões sofrem, cada vez mais, a influência das informações e das críticas compartilhadas nas redes sociais.    

Isso significa muito mais do que apenas ter um site, um perfil nas redes sociais, um blog e utilizar uma plataforma de e-mail mkt, pois essas ferramentas são fundamentais nos dias de hoje. Agora é preciso estruturar e planejar uma estratégia que inclua e coordene todas esses recursos de aproximação digital com eficiência e efetividade a fim de obter os resultados específicos que se espera.  

De forma geral, é preciso acompanhar as transformações e, com base no cenário atual, construir relação horizontais e compreender que a marca não está totalmente sob o controle da empresa e seus diretores, pois o público agora tem voz e se expressa diretamente pelas redes sociais. Afinal, é exatamente uma parte desse público que deve ser engajada a ponto de se tornar defensor da marca frente às críticas que possam eventualmente surgir nas redes sociais.

E para estimular os advogados da marca, é interessante fazer uso dos 5As de Kotler, que são: Assimilação, Atração, Arguição, Ação e Apologia. Todas essas estratégias só podem funcionar com a integração do Marketing On-line com o Off-line, além do uso do Marketing de Conteúdo para conquistar a atenção e a confiança dos públicos ou personas da marca rumo a uma jornada de compras já bem estabelecida.     Enfim, o grande segredo é permitir, estimular e participar ativamente da transformação digital, por meio de uma revolução cultural dentro da organização. Dessa forma, o marketing de uma corporação passa a acompanhar os avanços tecnológicos e também estudar e compreender as alterações no estilo de vida, comportamento e atitudes das pessoas. Assim, o marketing torna-se uma ferramenta cada vez mais ativa, funcional e transformadora à realidade dos diversos segmentos, mercados e estruturas organizacionais.