Se a Transformação Digital trouxe avanços, evoluções e mudanças capazes de provocar a 4ª Revolução Industrial, certamente o impacto também atinge os modelos tradicionais dos serviços de Terceirização de TI. Assim, a era da Inteligência Artificial, da Machine Learning, das soluções RPA e de outras novas tecnologias, como IoT, Cloud Computing e Big Data fazem nascer um novo conceito para a área de Tecnologia da Informação: o Outsourcing 4.0.

Da mesma forma que na Indústria 4.0 um conjunto de tecnologias permite uma fusão entre os mundos físico, digital e biológico, no Outsourcing 4.0, as possibilidades que utilizam as inovações tecnológicas aumentam. As mudanças começam a aparecer tanto no que as empresa de TI passam a oferecer quanto nas exigências e novas necessidades das empresas clientes. Dessa forma, a realidade do mercado se transforma cada vez mais e o próprio outsourcing vai além de uma opção para diminuir os custos, passando a ser uma forma de parceria que garante melhores resultados e poder de competitividade aos clientes.

Nesse novo contexto, os serviços de DevOps ganham força e se consolidam cada vez mais. A utilização da Nuvem se expande e as oportunidades para esse tipo de gerenciamento e recursos para oferta se estabelecem. A tecnologia e os conhecimentos de automação, VR, Inteligência Artificial, ML e blockchain são exemplos de recursos que também agregam muito aos negócios, mas exigem tempo de equipe, aprendizado e gestão, portanto, são demandas consistentes da atualidade do Outsourcing 4.0.

Mais do que projetos gerenciados nos modelos de preço fixo ou T&M, o P&D onshore e offshore já são destaques da modalidade outsourcing pela necessidade essencial de novos negócios que têm sua base de crescimento e inovação nas constantes pesquisas e desenvolvimentos. Nesses casos, o outsorcing não se limita mais somente aos serviços oferecidos convencionalmente e já tem reconhecimento e preferência do mercado quando oferece um plano de desenvolvimento da equipes offshore para determinadas funções. 

Outro ponto importante da mudança consiste na especialização dos profissionais, já que o formato Competitive Sourcing é mais condizente com a realidade racionalista e segmentada do mercado frente às tradicionais pessoas e serviços que operavam de forma multifuncional que até então poderiam ser facilmente oferecidos. Serviços de Replatforming começam despontar ao lado das SLAs e métricas tradicionais de TI. A RPA em escala se transforma aos poucos numa diretriz importante para o outsourcing, assim como o service desk, e as call centers de baixo custo já pedem uma séria análise e reflexão para suprirem as reais necessidades dos clientes.

Nesse mesmo sentido, as Platform Services sobressaem da mesma forma que o conceito de  compliance e segurança se tornam o centro das atenções, impulsionados pela LGPD. Os serviços de desenvolvimento se valorizam gradativamente, conforme sua rapidez de execução e entrega. Nas questões contratuais e de negócios o Outsourcing 4.0 precisa de novas maneiras de oferecer resultados com mais precisão e solidez do que as, já ultrapassadas e subjetivas, promessas de retorno. Por fim, abordagens, como Agile e a aplicação de metodologias como Design Thinking para resolução de complexos problemas de negócios assumem o papel muito importante entre as novas tendências do Outsourcing 4.0. Afinal, a tecnologia que mudou as práticas, as ferramentas, os recursos e os métodos para uma indústria 4.0, agora propõe um novo formato compatível com os avanços à Terceirização dessas novas soluções tecnológicas.