Low-code é o futuro do desenvolvimento de softwares

O mercado de low-code deve crescer 19,6% este ano em comparação ao ano passado, segundo a consultoria Gartner. E a utilização dessas plataformas deve aumentar até 2026.

Este mercado tem crescido sobretudo por proporcionar agilidade no desenvolvimento de softwares. Não é à toa que nos próximos dois anos, três quartos das grandes empresas do mundo usarão low-code. E uma das expectativas é que essa solução seja usada no desenvolvimento de pelo menos 65% dos aplicativos até 2025.

O uso de low-code ajuda empresas a se adaptarem rapidamente a mudanças no mercado e que consigam atender às necessidades de cada negócio em tempo hábil. Os desenvolvedores passam a se concentrar em resolver problemas de negócios em vez de lidar com detalhes técnicos de infraestrutura ou codificação repetitiva.

Mas afinal, o que é low-code?

O low-code pode ser definido como uma ferramenta de desenvolvimento de software, que permite que os usuários criem aplicativos e sistemas usando pouca codificação tradicional.

A plataforma foi criada com o objetivo de reduzir a complexidade do desenvolvimento de software e acelerar a criação de aplicativos. Isso permite que pessoas sem muitas habilidades de programação sejam capazes de criar aplicativos, enquanto desenvolvedores experientes podem usar a abordagem low- code para aumentar sua produtividade.

E o uso deste tipo de plataforma ocorre principalmente pela necessidade de customização, escalabilidade rápida e o aprimoramento da transformação digital. Existem várias plataformas low-code, como Oracle Apex, Microsoft, Outsystems e a brasileira Quellon.

Datainfo já utiliza low-code

A Datainfo tem utilizado este tipo de plataforma no desenvolvimento de alguns sistemas. O objetivo é entregar mais rápido soluções e se concentrar na raiz do negócio.  Recentemente, a empresa criou um software com esta abordagem  para a Companhia Paranaense de Energia (Copel), utilizando o ambiente Oracle Application Express (Oracle APEX).

O objetivo do software customizado era reestruturar os processos para melhorar o recebimento e despacho das demandas dos clientes.

O novo sistema, além de atender às expectativas iniciais, acelerou em 20% a resposta ao cliente, melhorou o trabalho interno dos colaboradores e ainda chamou atenção da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) pela sua funcionalidade.

Outra facilidade no novo software é o tratamento e emissão de relatórios estatísticos para subsidiar a Copel nas tomadas de decisão.

A Datainfo tem realizado Webinars sobre o tema. O último “Webinar Low-code sem mistério” foi realizado em março. E o objetivo era desmistificar o tema na prática e conversar sobre a tecnologia que vem revolucionando a TI.

 

O seu negócio já utiliza o Low Code? A Datainfo já utiliza esta plataforma no desenvolvimento dos seus projetos, entre em contato com nossos Digital Transformers e entenda como o Low Code pode mudar o seu projeto.

47 / 80